Internacional

Segundo Thaler, as pessoas preferem resultados imediatos, tomam decisões precipitadas, sem planejamento e não guardam dinheiro para o futuro. Isto contraria o senso comum de racionalidade na hora de investir ou gastar dinheiro.

Londres - O americano Richard H. Thaler, 72 anos, recebeu, nesta segunda-feira, 9, o Prêmio Nobel de Economia, graças as suas pesquisas focadas na economia comportamental.

O trabalho de Thaler vem ao longo dos anos convencendo muitos economistas a prestar mais atenção ao comportamento humano. Ele também chama a atenção para que os governos foquem seus esforços na melhoria da economia.

O professor Thaler é um economista que já era famoso antes de ganhar o prêmio. Ele é autor do best-seller, "Nudge", que ajuda as pessoas a tomarem melhores decisões. Recentemente, ele apareceu no filme de 2015 "The Big Short", no qual ele diserta sobre as causas da crise financeira de 2008 em uma mesa de cassino.

O best-seller "Nudge" do economista Richard Thaler e do professor de direito Cass Sunstein 

O comitê do Nobel anunciou o prêmio em Estocolmo, declarou que estava honrando o professor Thaler por seu trabalho pioneiro no estabelecimento de que as pessoas são previsivelmente irracionais - que se comportam consistentemente de maneiras que desafiam a teoria econômica.

O comitê creditou ao professor Thaler, que ensina na Universidade de Chicago Booth School of Business, a mudança de conceitos da tradicionais da economia para uma compreensão mais realista do comportamento humano. Além disto, usar este novo approach para implementar melhores ideias para melhorar as políticas públicas, especialmente  na melhoria e adesão a programas de poupança e aposentadoria.

"Para fazer uma boa economia, você deve ter em mente que as pessoas são humanas", disse o professor Thaler em uma coletiva de imprensa após o anúncio.

Thaler, considerado um dos maiores especialistas na área que combina estudos da economia com a psicologia, é professor da Universidade de Chicago e desenvolveu a teoria da contabilidade mental, explicando como as pessoas simplificam as decisões financeiras. 

Ao longo de sua vida acadêmica, ele estudou decisões consideradas pouco racionais que as pessoas tomam ao longo da vida. Como, por exemplo, o fato de muitas pessoas não guardarem dinheiro para o momento em que elas forem se aposentar.

Thaler no filme "Big Shot", ao lado da atriz e cantora Selena Gomez. foto: (reprodução)

Em suas pesquisas, Thaler mostrou como algumas características humanas, como a racionalidade limitada, suas preferências sociais e até mesmo a falta de autocontrole impactam suas finanças pessoais e, por consequência, orientam um determinado comportamento do mercado.

De acordo com o economista, as pessoas preferem resultados imediatos, que a satisfaçam, mesmo sabendo que se elas forem pacientes com seus projetos ou objetivos pessoais e profissionais provavelmente poderão alcançar um nível de vida melhor.