Economia

Segundo o Indicador Serasa Experian, o número de consumidores inadimplentes no país chegou a 61 milhões em maio. É um novo recorde negativo da série histórica registrada desde 2012.

 

São Paulo - O mês de maio, em torno de 900 mil consumidores entraram no cadastro de inadimplência. É um aumento de 500 mil CPfs em ralação a maio de 2016, quando 59,5 milhões de pessoas estavam negativadas. 

É mais um retrato da dolorosa crise econômica brasileira e de acordo com os economistas da Serasa, o desemprego e a recessão econômica são os principais motivos para os altos índices de inadimplência no país.

Especialistas ainda afirmam que, só a retomada de investimentos diretos na economia pode reverter este número. Se o desemprego não inverter a curva de crescimento, a probabilidade de a inadimplência aumentar é grande.  

Em média, são quatro dívidas atrasadas por CPF. Dívidas com bancos e cartão de crédito lideram a lista dos inadimplentes. Em seguida, vem as concessionárias de serviços públicos essenciais como água, luz e gás. 

 

Classificação de crédito

Classificados de 0 a 1000, os pontos do Serasa Score é a métrica de qualificação do consumidor e leva em consideração a sua relação com o mercado. A análise é feita sobre uma série de fatores como: os pagamentos de contas em dia, histórico de dívidas negativadas, dados cadastrais atualizados e relacionamento financeiro com empresas e bancos. Quanto mais baixo o score, maiores são as chances de não cumprimento dos compromissos financeiros em um período futuro de 12 meses. O acesso ao crédito é dificultado até o ponto que o consumidor fica impedido de abrir crediários e contrair novos empréstimos. 

No entanto, para deixar a lista de inadimplentes, o consumidor deve recuperar a sua capacidade de pagamentos. A partir disto, e mantendo o ritmo de pagamentos, sua pontuação vai melhorando e a reconquista de sua reputação junto ao mercado, empresas e bancos vai se dando com o passar do tempo e a diminuição da dívida.  

Outros fatores para a melhoria, ou piora, do Score estão relacionados a própria dívida. Fatores como o valor da dívida, a quantidade de parcelas em atraso e o tempo que o consumidor permaneceu como inadimplente, também são levados em consideração. Além disto, manter os dados cadastrais atualizados e abrir o Cadastro Positivo ajudam a elevar a pontuação.

 

Dicas do Serasa para evitar as contas atrasadas

Renegocie as dívidas de maneira que as novas parcelas da renegociação caibam no bolso e, somadas aos débitos já existentes (desconsiderando o imobiliário), não ultrapassem 20% da renda mensal.

Prepare-se antes de renegociar: coloque na ponta do lápis todas as despesas fixas e as contas já assumidas ou previstas. Assim, é possível saber o quanto está disponível para pagar a nova dívida que será renegociada, escolhendo quais as condições e formas de pagamento que melhor se encaixam no orçamento.

O consumidor inadimplente com direito ao resgate do FGTS deve utilizar ao menos parte do valor recebido para quitar dívidas pendentes.

 

Use o crédito mais barato para pagar dívidas mais caras: um crédito consignado poderá ser a saída para as parcelas atrasadas do cartão de crédito ou do cheque especial, por exemplo.