PÓS À DISTÂNCIA VENCE PRECONCEITO

Educação

Foi-se o tempo em que fazer curso de e-learning rendia diploma desvalorizado. Com as novas tecnologias, as melhores instituições passaram a oferecer pós-graduação de qualidade pela internet.

De São Paulo - Com um emprego em uma indústria de alimentos que o fazia viajar o Brasil todas as semanas, o engenheiro de produção Bruno Martins, 29, queria cursar um MBA para dar um upgrade na carreira de engenheiro, mas não tinha disponibilidade de tempo para frequentar uma faculdade. "Eu dormia mais em hotéis do que na minha própria casa", conta. Foi aí que tomou uma decisão: fazer o tão sonhado Master in Business Administration, mas à distância.

A instituição escolhida foi a carioca Ibmec, Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais, uma das 303 instituições de ensino superior credenciadas pelo MEC que oferecem cursos superiores nessa modalidade de ensino. Bruno escolheu o MBA em Projetos e se surpreendeu ao ver como o curso online era "puxado".

Bruno Martins, adepto da educação continuada à distância: MBA pelo Ibmec garantiu trabalho convite de emprego em multinacional
Bruno Martins, adepto da educação continuada à distância: MBA pelo Ibmec garantiu trabalho convite de emprego em multinacional (Foto: divulgação)

Para dar conta do ritmo das aulas, montou um cronograma de estudos e conseguiu dedicar de seis a oito horas semanais à especialização.  “Eu assistia às aulas pela internet nos hotéis em que me hospedava. E quando a semana era muito corrida, estudava aos sábados e domingos”, lembra.

Segundo o Ministério da Educação, não é qualquer instituição de ensino que pode oferecer um curso superior à distância. A faculdade precisa comprovar ao MEC que possui infraestrutura e tecnologias adequadas, professores capacitados, metodologia e materiais didáticos específicos. Hoje em dia as faculdades mais importantes do país já atuam nesse mercado.

Além do Ibmec que oferece 19 tipos de MBA, instituições consagradas como a USP, a FGV, o Senac e o Mackenzie, para citar algumas, já oferecem cursos de graduação, pós-graduação e extensão nessa modalidade que, de nova, não tem nada.

Na primeira metade do século passado o ensino à distância já era uma realidade, com os cursos por correspondência do Instituto Universal Brasileiro. Anos depois o Senac deu um passo à frente, criando a "Universidade do Ar", que ofereceu aulas de técnicas comerciais via rádio para mais de 200 cidades do estado de São Paulo formando, em 15 anos de atuação, mais de 10 mil pessoas.

Pioneiro nesse tipo de ensino à distância, o Senac já tinha a expertise necessária quando a internet se popularizou e hoje é a instituição que mais oferece cursos de graduação e pós-graduação lato sensu, incluindo MBA: são 45 cursos à distância no total. A instituição acredita e muito na ferramenta como forma de disseminar conhecimento:

"Essa modalidade de ensino passou a ser percebida como uma real alternativa de formação, fundamental, inclusive, para que as metas do Plano Nacional de Educação sejam atingidas", afirma Alcir Vilela Junior, diretor de Pós Graduação de Educação à Distância do Senac.

O Ministério da Educação concorda.  “Os cursos superiores à distância apresentam a vantagem de ganho de escala, permitindo o acesso à educação a um número maior de estudantes, inclusive em locais com pouca oferta de cursos presenciais", disse a assessoria de imprensa do ministro da Educação, José Mendonça Filho. 

O diretor do Senac ressalta, contudo, que Fies só dá financiamento estudantil aos alunos dos cursos presenciais, impedindo o acesso dos mais pobres à essa modalidade de educação e o próprio desenvolvimento dessa modalidade.

Alguns cursos, como os MBAs da USP, decidiram transmitir parte das aulas em tempo real para manter o clima de sala de aula. “O sucesso foi imediato”, diz o professor Pedro Marques, coordenador do Pecege (Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas), núcleo que gerancia os MBAs da Esalq, Escola Superior de Agronomia Luís de Queiroz, de Piracicaba. Quem não puder assistir à aula ao vivo recupera o conteúdo gravado.

Já a FGV decidiu valorizar a participação dos alunos nos chats dando nota aos mais participativos e empenhados, conta Mary Murashima, diretora da área de produção de soluções educacionais da Fundação Getúlio Vargas.

E se engana quem pensa que em curso online você não tem a oportunidade de fazer contatos profissionais, garante Rosângela Oliveira, gerente de relacionamento com o cliente de uma empresa de Recife, que há pouco mais de um ano terminou sua pós-graduação à distância pelo Senac. 

"No curso presencial você conhece apenas 40 pessoas que trabalham na mesma cidade que você. No ensino online você conhece gente de todo o Brasil", conta. Rosângela optou pela EAD por convicção e não por conveniência. "Eu acredito muito no ensino à distância. É uma mudança de paradigma importante na educação", afirma e diz que o chefe dela também fez um curso na mesma modalidade.

Luis Fernando Martins, diretor da Hays, empresa de recrutamento especializado, afirma que hoje os profissionais que se especializam fazendo cursos à distância são bem recebidos pelas empresas. "O mercado leva em consideração a instituição pela qual o candidato se formou e seu comportamento”.

E acrescenta que o profissional que se forma à distância costuma ter algumas características peculiares. “Para cursar um MBA ou qualquer outro curso online, o aluno deve ser metódico e pragmático”, afirma.

Foram essas qualidades vistas em Bruno, que fizeram que uma multinacional decidisse tirá-lo da empresa onde trabalhava, ainda quando cursava o MBA. “Participei de um processo seletivo e o examinador disse me ver como alguém organizado e autogerenciável", conta, comemorando o novo emprego que o elevou um patamar na sua profissão. Agora Bruno é coordenador de engenharia e viu seu contracheque aumentar 30%.