TRANSPORTE PÚBLICO VEZES TRÊS

Rio 2016

Investimento pesado em alternativas ao metrô, como BRT e VLT, pretende atender mais de 60% dos cariocas com modais de alta capacidade, o triplo de há sete anos

Do Rio de Janeiro - Nas falas dos principais gestores das obras de infraestrutura para o Rio receber as Olimpíadas, um dado salta aos olhos. Concluída, a nova malha de corredores de transporte público – metrô, BRT (ônibus articulados com faixas de tráfego exclusivas) e VLT (veículo leve sobre trilhos) – deverá elevar a oferta de transporte público de alta capacidade na cidade de 18% (em 2009) para 63% (em 2017).

“O parque de obras e os transtornos que o Rio está enfrentando nos últimos anos serão recompensados com transporte público de alta capacidade farto e qualificado, que vai ter a oferta triplicada em apenas oito anos”, garante o secretário municipal de Transportes, Rafael Picciani.

Nos últimos dois anos o trânsito tornou-se caótico de tão congestionado durante todo o horário comercial, na região central do Rio e nas principais artérias de ligação entre o centro e regiões Norte e Sul.  Para o prefeito Eduardo Paes, que tomou a ousada decisão de demolir todo o Elevado da Perimetral, via elevada de 5,5 quilômetros que fazia a ligação da área central e os bairros, “a Olimpíada é transformadora” porque provocou uma deflagração emergencial de um conjunto de obras urbanas e viárias na cidade que não ocorreria sem o evento.

O BRT da Transoeste: ônibus articulados para até 200 pessoas: aposta da prefeitura para compensar demora e os custos do metrô
O BRT da Transoeste: ônibus articulados para até 200 pessoas: aposta da prefeitura para compensar demora e os custos do metrô (Foto: Prefeitura do Rio)

Para explicar como será compensada a retirada da Perimetral, o secretário Picciani recorre à reformulação do trânsito planejada para todo o trecho portuário e principalmente aos dois túneis feitos para emendar a Avenida Rodrigues Alves – por cima da qual percorria boa parte da via elevada – com a Avenida do Binário do Porto. Um deles, menor, com 60 metros, passa sob o morro da Saúde, e outro bastante extenso, de 1,1 quilômetro, liga a rua 1º de Março – importante via do centro da cidade, próxima à Praça XV – à nova Avenida do Binário. Ela passará debaixo do Morro do Mosteiro de São Bento e da Praça Mauá e voltará à superfície na Avenida Barão de Teffé, ainda na Zona Portuária.

Apesar dos questionamentos de quem usa automóvel, como os taxistas, que duvidam da compensação do novo sistema em relação à velha Perimetral, a expectativa de urbanistas é de que a cidade melhore com a nova concepção. “A prioridade passa a ser o transporte coletivo e a revalorização da vida na região central. O centro vai voltar a ter vista para o mar na área portuária, de onde antes se avistava um enorme viaduto”, resume Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio Histórico, ligado à prefeitura da cidade.

Obras da Transbrasil, faixas exclusivas para ônibus articulados: ligará o centro ao complexo olímpico de Deodoro, na Zona Oeste
Obras da Transbrasil, faixas exclusivas para ônibus articulados: ligará o centro ao complexo olímpico de Deodoro, na Zona Oeste (Foto: Prefeitura do Rio)

Para o secretário Picciani, dentre as obras que triplicam o acesso da população ao transporte de alta capacidade, o destaque são os BRTs (sigla do inglês Bus Rapid Transit), ônibus articulados com faixas exclusivas e, em muitos trechos, com pistas próprias, capazes de transportar até 200 pessoas cada um, e que, segundo ele, compensaram a demora na ampliação do metrô carioca.  

“O sistema de BRTs se mostra viável para oferecer a curto prazo e a um custo muito menor do que o do metrô transporte de qualidade, rápido e confortável. E a prova disso é a aprovação nas pesquisas das linhas já em funcionamento, nos mesmos níveis do metrô”, diz o Picciani.

Os quatro núcleos desportivos serão ligados por linhas de ônibus articulados com faixas exclusivas e metrô

Os quatro núcleos desportivos serão ligados por novas linhas de ônibus articulados e metrô (Arte: QueDesign)

A principal obra do metrô em execução neste momento pelo governo do Estado, que vive crise financeira aguda – a ponto de atrasar o pagamento de funcionários aposentados --, é o primeiro trecho a linha 4, que vai ligar Ipanema à Barra da Tijuca. Deve transportar por dia em torno de 300 mil passageiros. A previsão de entrega é julho – embora o próprio prefeito Eduardo Paes tenha colocado o cumprimento do prazo em dúvida. São seis estações em cerca de 16 quilômetros. O trecho entre Gávea e a linha 1 do Metro tem previsão para 2017.

PRINCIPAIS OBRAS DE MOBILIDADE

BRT TRANSOLÍMPICA

Todo o trecho permite tráfego dos BRTs em via expressa. Ligará as duas principais instalações olímpicas, Parque Olímpico da Barra da Tijuca ao Complexo Esportivo de Deodoro. A estimativa é transportar 70 mil pessoas por dia. Segundo a prefeitura, a via reduz o tempo de percurso entre as regiões em até 80%.

BRT TRANSOESTE

Esta outra calha expressa, com 60 km, atende a 120 mil pessoas por dia. Liga os bairros de Santa Cruz e Campo Grande ao Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca. Segundo a prefeitura, reduz o tempo de viagem dos passageiros em até 50% em relação ao ônibus comum. A última etapa do projeto, que faz parte do Plano de Políticas Públicas, prevê a conclusão do trecho Alvorada-Shopping Città America e a conexão com o Jardim Oceânico para integração com a Linha 4 do metrô.

BRT TRANSBRASIL

A Avenida Brasil, entre as principais artérias da cidade, está sendo transformada para abrir a linha Transbrasil do BRT, que vai ligar Deodoro, na Zona Oeste, ao centro. A previsão da prefeitura é de a linha de 27 quilômetros transporte 810 mil passageiros por dia. A rota vai ter interligações do BRT o metrô e trens da Supervia.

Ponte do BRT Transcarioca, linha de 39 quilômetros já pronta que liga a Barra da Tijuca até o Aeroporto do Galeão
Ponte do BRT Transcarioca, linha de 39 quilômetros já pronta que liga a Barra da Tijuca até o Aeroporto do Galeão (Foto: Prefeitura do Rio)

BRT TRANSCARIOCA

A linha do BRT Transcarioca, pronta desde 2013, liga a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional do Galeão, com média de 320 mil passageiros diariamente. Tem 39 quilômetros, passa por 27 bairros e segundo a prefeitura diminuiu em 60% o tempo gasto neste deslocamento. Faz conexão com a Transoeste e será ligada também à Transolímpica.

VLT (VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS)

O VLT vai ligar a região portuária ao Centro, com dois ramais – um correndo mais próximo à orla, entregue este mês, e outro, entre as ruas centrais, num total de 28 quilômetros lineares, interligando o Aeroporto Santos Dumont à Rodoviária Novo Rio, passando por Praça Mauá, Avenida Rio Branco, Cinelândia, Central do Brasil, Praça XV e Santo Cristo. Vai se conectar ao metrô, trens metropolitanos, barcas, BRT, redes de ônibus convencionais e teleférico. A previsão, para quando todos os trechos estiverem prontos, até 2017, é atender 300 mil passageiros/dia.

VLT terá faixas exclusivas e 28 quilômetros de trilhos quando suas duas linhas estiverem concluídas
VLT terá faixas exclusivas e 28 quilômetros de trilhos quando suas duas linhas estiverem concluídas (Foto: Alex Costa)

METRÔ LINHA 4

Vai ligar Ipanema à Barra da Tijuca e tem previsão para ser entregue em julho, pouco antes do início dos Jogos, em agosto, apesar das dificuldades financeiras.  Deve transportar em torno de 300 mil passageiros por dia. Serão entregues cinco estações em 16 quilômetros:  Jardim Oceânico, São Conrado, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz. 

DUPLICAÇÃO DO ELEVADO DO JOÁ

Via elevada e duas novas galerias de túneis em paralelo ao Viaduto Elevado das Bandeiras com duas faixas de rolamento na direção São Conrado - Barra. O objetivo é acabar com os constantes congestionamentos no Elevado do Joá.

VIÁRIO DA BARRA

Duplicação das Avenidas Abelardo Bueno e Salvador Allende e criação de corredor de BRT de 8,7 km e 7 estações. A remodelação da área inclui melhorias nas calçadas e ruas e iluminação. É construída uma ciclovia e o Terminal Olímpico – conexão das linhas dos BRTs Transolímpica e Transcarioca e a construção do Terminal Recreio – conexão dos BRTs Transoeste e Transolímpica.